miercuri, mai 25, 2005

grande notícia.....

MERZBAU @ Santiago Alquimista



Os Jesus, the Misunderstood, Gordon’s Deal e Goodbye Toulouse estarão desta vez juntos no Santiago Alquimista no dia 9 de Junho, a entrada custa 5 euros. Uma oportunidade única para assistir ao concerto destas 3 bandas apoiadas pela merzbau e que se encontram de momento a promover os seus respectivos EPs, disponíveis para download gratuito no site da merzbau (www.merzbau.tk). A merzbau informa que levará consigo cd-rs dos EPs que serão trocados por cd’s virgens para todos aqueles que não têm possibilidade de aceder ao site mantendo o espírito “música livre” que está na génese da netlabel.







Jesus, the Misunderstood

Os Jesus, The misunderstood escrevem canções que exploram pequenas ideias do dia-a-dia, repartindo-as por três músicos de diferentes orientações musicais. A estética é imperfeita, longe do perfeccionismo saturado dos grandes estúdios, e a nudez musical impera ao longo das quatro faixas do EP de estreia da banda, loving in July, dying in August. A orientação não é estática, o objectivo da banda é explorar diversas áreas do universo musical. As fontes de inspiração passam pelas pilhas de discos que abordam os territórios do songwriting, folk, rock, jazz, electrónica ou música clássica.
O trio é composto por Luís Nunes (piano, voz e guitarra), Pedro Sousa (baixo e contrabaixo) e Manuel Dias (guitarra) e fortalecido por um baterista ao vivo. Em Fevereiro de 2005 a banda edita através da netlabel da merzbau o seu primeiro EP intitulado Loving in July, Dying in August.

e-mail:contactjesus@hotmail.com
telefone (Luís Nunes): +351 916648523





Gordon’s Deal



Inspirados pela simplicidade da música rock nos anos 80 e 90, os Gordon’s Deal compostos por Vitó, Joca e Tiago (Goodbye Toulouse), nasceram em 2005 e espelham uma abordagem simples e directa de canções viscerais e ruidosas. Encontrando-se de momento a tentar promover o seu trabalho ao vivo, esperam fazer chegar a sua música às pessoas e assim aproveitar o gozo que a música lhes dá.





Contactos
964480334 Vitó

916658893 Joca







Goodbye Toulouse

Os Goodbye Toulouse nasceram no verão de 2004 quando Tiago Sousa decide pegar nalgumas ideias suas e construir o EP Urbe que acaba por ser editado mais tarde, em Março de 2005, através da netlabel da merzbau. A partir daí juntaram-se a Tiago 3 amigos, que já haviam participado também nas gravações, para suportar a banda ao vivo. Joca (Gordon’s Deal/We Shall Say…), Luís Nunes (Jesus, The Misunderstood) e Vitó (Gordon’s Deal) juntam-se a esta aventura musical e propõe-se a espalhar o caos e a demência por esse país fora.

e-mail:goodbyetoulouse@sapo.pt
telefone (Tiago Sousa): 965567988



www.merzbau.tk

merzbau.blogspot.com

merzbau@sapo.pt

vineri, mai 20, 2005

e sai mais uma.....

E eis que nos chega a mais recente edição da merzbau ( www.merzbau.tk ). ZLKNF é o resultado do trabalho musical de Dalem que agora apresenta Bast Babylone o registo que marca a estreia deste seu novo projecto musical. Contando também com a participação de Vitor Rua este é um trabalho de ambiências e experimentalismo electrónico que convida a uma viagem de sensações e percepções auditivas. Mais uma vez disponível para download gratuito, aquela que é já a quarta edição da merzbau encontra-se online desde o dia 20 de Março de 2005. Entretanto a merzbau pode também adiantar que a próxima edição, agendada para a primeira quinzena de Junho, será o EP de estreia dos Abstrakt Sir Q (antigos abstrakt circle).

zlknf
Bast Babylone



zlknf - laon bosch babylone/X bast

do silêncio nasce o movimento e da matéria, a forma.da intensidade inicial nasce a cadência e o pulsar, movimentos felinos, vagos, silenciosos prontos para atacar, olhos de deusas acesas
observam quietos o ruir da torre de babel.
composição, edição, sincronismo e imagem: dalem
gravação e processamento de fragmentos em X bast: vitor rua
gravado em lisboa entre janeiro e maio 05
Contactos:
www.geocities.com/xfghv/13
zlk@north.org
merzbau@sapo.pt

duminică, mai 15, 2005

Festival Where's The Love

joi, mai 05, 2005

é urgente a cultura

o post inicial


E, porque parece que a arte continua a ser um bem de terceira necessidade; porque neste país o (mau) exemplo continua a vir de cima, daqueles que supostamente deveriam promover, apoiar e incentivar a criação e educação artística, da Marinha Grande chega-nos mais um caso de estupidez aguda.
Inaugurado em Fevereiro de 2005. o espaço Ovirus propõe-se a receber ideias, conceitos e obras, daqueles que continuam a ser tratados como cidadãos de segunda. Tive o privilégio de poder actuar e conhecer este espaço e a sensação que ficou foi a pena de não existir algo equivalente na minha cidade. Com uma periocidade e qualidade nas suas iniciativas exemplar, este deveria ser considerado como uma aposta no sentido de enriquecer a Marinha Grande mas já não existe grande espanto quando constatamos que existe quem esteja mais preocupado em colocar obstáculos do que em apoiar a iniciativa.
A questão que se põe é a seguinte:
Devido a dificuldades financeiras (não será difícil de adivinhar que um projecto destes não enriquece ninguém) os responsáveis pela sala não tem condições para proceder a intervenções no sentido de insonorizar a sala e tratar de todas as autorizações e burocracias exigidas pela câmara para o funcionamento de um espaço do género. Ora, não seria de esperar por parte da câmara e seus responsáveis uma atitude interventiva no sentido de não deixar que o vírus morra? Principalmente quando este espaço é único na cidade numa cidade que carece de iniciativas culturais? Se a rapaziada se tem limitado a abrir um bar normalíssimo cujo único objectivo fosse encher os seus bolsos de dinheiro enquanto um grupo de pessoas tenta esquecer as suas vidas quotidianas com alguma evasão nocturna aposto que não teriam tantos problemas.
Acho que vai sendo tempo de mudar mentalidades neste país. Uma revolução cultural exige-se e se as pessoas com responsabilidades neste país continuam a preferir a cegueira temos de ser nós a abrir-lhes os olhos. É também da nossa responsabilidade que casos como este continuem a ocorrer e por isso faço um apelo a todos para que não se calem. Bombardeiem de mails o Pelouro da Cultura da Câmara Municipal da Marinha Grande. Intervenham de todas as maneiras que vos pareçam úteis. Se acaso algum investidor privado se sentir com mais coragem do que as instituições governamentais que entre em contacto com a malta d’Ovirus. Não podemos é fechar os olhos e esperar que tudo se resolva por si.

cultura@cm-mgrande.pt
ovirus@leirianet.pt
www.ovirus.pt.vu